Professores do Ginásio estão em greve

62 dias após o início da greve dos professores, uma escola da rede pública estadual de ensino de Guaxupé aderiu à paralisação. Nesta segunda-feira nenhum aluno da Escola Estadual Dr. Benedito Leite Ribeiro, o Ginásio, teve aula.

Ontem à noite os professores se reuniram novamente. Apenas os professores do Ginásio aderiram à paralisação… E os professores foram convidados a participar da Assembleia Geral para discutir o destino da greve. O movimento acontece em frente à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

10 thoughts on “Professores do Ginásio estão em greve

  • 9 de Agosto de 2011 at 23:50
    Permalink

    Eu acho uma falta de carater por parte deles, pois como a Marizilda afirmou, “os alunos aderirão a greve..”, isso é mentira, pois a maioria dos alunos da minha sala do 2° ano do ensino médio não concordo com nenhuma greve. Eu só acho q eles deviam ter peito para assumirem seus problemas em vez de empurrar tudo nas costas dos alunos.

    Eu quero aula, nãio quero ficar em casa atoa, pois no final eles ficaram felizes por tudo e nós alunos nos ferramos porque depois teremos q repor aulas em feriados e finais de semanas, e tmabém tem professores q já são aposentados em 2 a 3 cargos a ainda acham ruim e que segundo eles tem que aumentar o sálario deles também;

    Tomara q essa greve não prejudique nosso ano letivo, porque se acontecer isso, os unicos culpados serão os “professores”.

    Bem isso q eu penso sobre tudo isso.

    Reply
    • 17 de Agosto de 2011 at 21:30
      Permalink

      Meu caro Felipe, tenho duas coisas para você pensar.
      Primeiramente, você um dia terá uma profissão e somente como um profissional poderá avaliar o que representa a educação (de baixa qualidade…) para um país.
      (CONTEÚDO PARCIALMENTE REMOVIDO)

      Reply
  • 10 de Agosto de 2011 at 0:02
    Permalink

    Eu acho que todo profissional tem direito a greve desde que não prejudique a sociedade

    Reply
  • 10 de Agosto de 2011 at 18:34
    Permalink

    Pode até ser que todo profissional tenha direito a greve, mais quando esses profissionais decidem prestar um concurso, eles já sabem muito bem quanto vão ganhar. Se não estiver satisfeito com o salário, sai logo do serviço, tem muita gente atrás de um emprego.
    Aí no final do ano, quem toma? Os alunos.. que fica lá igual bobo dentro da sala.. sem contar que a gente chega na sala de aula, tem 10 alunos (no máximo), de 5 aulas, 2 professores vão repor, e ainda esses 2 nem dão matéria!

    Reply
  • 10 de Agosto de 2011 at 21:26
    Permalink

    Não acho uma falta de caráter e nem prejudica a sociedade, pelo contrário. Acho que os alunos não entendem que por trás da greve defende-se a educação de qualidade, e não somente, o aumento de salário. Todos nós devemos apoiar a greve dos professores.

    Reply
    • 15 de Agosto de 2011 at 22:01
      Permalink

      Sou professora em greve da E.E.Dr. Benedito L. Ribeiro e, infelizmente, pelo que tenho lido aqui, muitos não estão entendendo a greve dos educadores da maioria das escolas do Estado de Minas Gerais, apesar de professores terem ido à TV, às rádios Quero afirmar que o direito de greve é constitucional, e que estamos não só querendo o que é de lei_ o piso da categoria que é lei federal, mas também a educação, a escola de qualidade para os alunos.
      Qual deputado tem filho na escola pública? Que valor os políticos têm dado à educação? Nenhum. Pelo contrário, querem colocar professores sem habilitação para dar aulas somente nos 3º ( e a escola para todos?), só para falar que eles estão preocupados com a educação, e ter um número no IDESP para os alunos que vão fazer o ENEM. Geralmente este número é bom porque os professores trabalham as competências e habilidades em todos os anos, e conseguem verbas para o estado. É só esta preocupação.
      Educação de qualidade é direito de todos, para os alunos e para os professores.
      Esperamos que entendam a situação, que procurem ver o que está acontecendo na realidade, que o que o governo coloca na mídia não é o que eles aplicam.
      Hoje à noite, tivemos uma reunião na escola com os professores e alunos para esclarecer, e só compareceram cinco alunos (da EJA)! Eles saíram entendendo a situação e não vão querer professores sem habilitação para dar aulas para eles. Querem ajudar os professores em greve a ter educação de qualidade para todos. Obrigada.

      Reply
      • 19 de Agosto de 2011 at 14:32
        Permalink

        Professor sem habilitação ou com habilitação, apenas queremos aulas, perdemos duas semanas de aulas, que podem fazer diferença em um vestibular. Por mim não há diferença, ou melhor, a aula ontem e hoje foi muito proveitosa, sem querer desmerecer a nenhum professor. Apenas queremos nosso direito de estudar. Greve tem limite, sociedade prejudicada, alunos prejudicados basta.

        Reply
  • 16 de Agosto de 2011 at 15:37
    Permalink

    Carta que enviei aos Srs. deputados e que acredito, ajudam a esclarecer a situação em que os professores se encontram.
    Também é possível conferir maiores detalhes sobre a greve no site do sindute, viomundo, entre outros, em que foi publicado contra-cheque de professor com piso salarial pago pelo governo.

    Sr(a). Representante do Povo

    Sou uma cidadã brasileira que reside na divisa de estados e sou professora concursada em ambos (MG e SP) há mais de dez anos. Sinto os efeitos das políticas públicas na educação, das quais quero salientar, como reivindicação em favor da EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, a questão da valorização do profissional da educação.
    A capacitação de profissionais tem sido foco de críticas constantes, veiculadas na mídia nacional, em que o educador tem sido o culpado pela baixa qualidade, mas não são questionadas as políticas públicas aplicadas, os sistemas nos quais estamos inseridos. Muitas destas críticas trabalham a favor da macroeconomia e entendem a administração educacional como uma administração empresarial. O foco não é uma educação de qualidade para formar o cidadão, mas a perpetuação da formação de mão de obra barata.
    Na Constituição Federal o Artigo 39 §2º dispõe que:
    “A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos, um dos requisitos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração de convênios ou contratos entre os entes federados.”
    Entendo que este artigo prevê a profissionalização do servidor público com a criação de Escolas de Governo, para melhor desempenho das funções de seu cargo. Como professora, tenho vivenciado a oferta de vários cursos. No entanto, a meritocracia excludente destina número limitado de vagas, mesmo em cursos à distância. Há casos em que o limite é a idade ou o tempo de serviço que o funcionário ainda prestará ao poder público, quanto mais próximo da aposentadoria, menor o interesse em capacitá-lo. Para a evolução funcional, cursos ministrados por Escolas de Governo distintas não são reconhecidos pelos Estados. A capacitação do professor não é reconhecida nem mesmo pelos cursos oferecidos pelas Escolas de Governo, o professor nunca está capacitado. Agora presenciamos o confisco das vantagens adquiridas pelos profissionais de Educação em Minas Gerais, que não só minimizavam os efeitos da inflação acumulada em mais de 10 anos sem aumento de salário, bem como serviam de estímulo para, com recursos próprios, buscar tal profissionalização. É o fim do plano de carreira no Estado com a implantação da lei de subsídio para quem trilhou os caminhos de capacitação.
    Mas o que dizer da não autorização de contratação de profissionais da área para licenças de até 10 dias? Nesse caso o aluno pode ficar sem aula. Basta ocupar o tempo do aluno na escola para que os pais possam trabalhar sossegados, atendendo às necessidades do mercado.
    Que estimulo o profissional sem perspectiva de carreira terá?
    Tais medidas, entre outras, refletem o descaso com a educação de qualidade, a ineficiência do Estado em capacitar os profissionais, falta de vontade política de reconhecer o seu mérito e o desrespeito ao cidadão (especialmente pais e alunos) que desconhece a real aplicabilidade destas políticas. Apresentam propagandas que estimulam os pais e alunos a culparem os professores pela falta de qualidade e pela suspensão das aulas em períodos de greve, – caso extremo, que agora se faz necessário, fazendo uso de inverdades sobre o piso nacional, tentando encobrir o desrespeito à lei federal nº 11.738/2008.
    Venho reivindicar que V. Sra. esteja realmente a favor de uma educação de qualidade, em vez de colocar na ponta do lápis o custo da capacitação dos profissionais pelo tempo que ainda servirão ao poder público em detrimento do custo da formação do aluno, de um cidadão. Entendo que este é o nosso maior lucro – o aluno bem formado, com uma aplicação efetiva da legalidade, da impessoalidade, da publicidade – reconhecendo, valorizando o profissional e estimulando o seu aperfeiçoamento.
    Respeitosamente, conto com seu apreço e empenho nesta luta, em todos os níveis: municipal, estadual e federal.

    Ivana, uma cidadã brasileira.

    Reply
  • 19 de Agosto de 2011 at 14:23
    Permalink

    Greve, todo trabalhador que cumpre com seu dever e se sente lesado pela falta de valorização tem direito a ela, mas com o um principio, nunca prejudicar a sociedade. Com o ocorrido os mais prejudicados seriam os terceiros colegiais, isso por causa dos vestibulares e o ingresso a universidade no próximo ano. Pronto, problema resolvido, a liminar que fazia com que todos os professores aderissem a greve foi derrubada, e alguns dos terceiros voltaram e outros foram contratados para completar a grade. Mas hoje ontem a noite e hoje de manhã, alguns professores procuravam influenciar alunos a boicotarem a liminar, tentando incentiva-los a não assistirem as aulas de professores substitutos até que tudo se normaliza-se. Sinceramente algo que deixa a gente decepcionado. Claro eles tem direito a greve, mas agir desta maneira. Os únicos prejudicados seremos nós alunos.

    Reply
  • 22 de Agosto de 2011 at 14:46
    Permalink

    Nós devemos dar ao Professor o mesmo valor que damos para a educação de nossos filhos. É necessário um salário digno para que o mestre possa ter condições sadias de trabalho. Sempre estudei em escolas públicas e reconheço o valor que os educadores devem ter.

    Reply

Responder a Érica Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.